Mais Lidas

Cria da Favela de Acari vai de motoboy a dono de pizzaria

Ygor Henrique tirou do papel sonho que tinha há mais de 10 anos na comunidade da Zona Norte do Rio

Ygor Henrique tirou do papel o sonho que tinha há mais de 10 anos
Ygor Henrique tirou do papel o sonho que tinha há mais de 10 anos -
Ygor Henrique esperou mais de 10 anos para realizar o sonho de toda uma vida Desde junho, o cria da Favela de Acari, que hoje tem 29 anos, tem uma pizzaria na comunidade da Zona Norte do Rio. Até abrir o próprio negócio, Ygor trabalhou por 11 anos como motoboy.
"A ideia de abrir uma pizzaria surgiu há uns 10 anos, quando eu trabalhava em uma pizzaria no Parque Colúmbia. Os anos foram se passando, virei entregador de cosméticos em salões de beleza da Penha até que voltei a trabalhar na pizzaria como freelancer nos fins de semana", relembra.
A esposa do empreendedor é quem cuida da cozinha da pizzaria - Arquivo Pessoal
Foi ali no contato com as massas do antigo trabalho que Ygor percebeu que poderia ir além. Há cerca de seis meses, ele pegou umas economias que tinha guardado e abriu a PPizza.
"Eu sempre achei legal essa parte da cozinha, ficava sempre olhando, querendo saber das coisas", narra. "O nome da pizzaria veio de um pagode há muito tempo, que tinha um 'P' no nome. O 'P' me chamou a atenção e juntei com pizza. Achei o nome legal de se pronunciar e fiquei com essa ideia em mente", conta.
PARCERIA
Para abrir a PPizza, Ygor fez uma parceria com o antigo patrão. Ele combinou do ex-chefe treinar a esposa na cozinha dele e vender suas massas a preço de custo. A ideia era trazer para Acari uma pizzaria com preços acessíveis, que o empreendedor já estava vendo fora da favela.
"Minha esposa ia para lá aos fins de semana para aprender a rechear as massas. Nosso diferencial é a nossa massa, que é caseira, fabricada pelos meus antigos patrões que são baianos e têm uma mão muito boa", afirma.
A pizzaria emprega cinco pessoas, contando com Ygor - Arquivo Pessoal
Atualmente, além da esposa, que também é ajudante de cozinha em uma creche, Ygor tem outras três pessoas trabalhando com ele: a irmã, que fica no caixa, um motoboy para fazer as entregas e uma ajudante para a linha de montagem. Todos são de Acari. Além de comandar todo o negócio, o empreendedor coloca a mão na massa para assar as pizzas.
"Desde garoto eu trabalho na rua. Vendia picolé, bolo, cocada, salgado. Sempre fui correria desde muito novo. Minha família trabalha com açaí caseiro há 10 anos e agora eu tenho o meu próprio negócio. Para mim ainda é tudo novo", analisa.
EXPANSÃO
Ygor se diz feliz pela pizzaria estar crescendo, mesmo em plena pandemia. O cria de Acari comemora poder  gerar emprego para algumas pessoas.
"Eu me sinto muito feliz, porque é um projeto que está há 10 anos no papel e que sempre quis ter. Também fico feliz em poder ajudar às pessoas que trabalham comigo", comemora.
Ygor também cuida do forno da PPizza - Arquivo Pessoal
O empreendedor vai longe quando pensa no futuro do negócio. Ele espera abrir franquias da pizzaria fora de Acari.
"O pessoal gosta muito da nossa massa e tenho a visão de levar o produto para fora. Quero me profissionalizar também como pizzaiolo e fazer com que a PPizza fique conhecida em todo o Rio de Janeiro", projeta.
Ygor Henrique tirou do papel o sonho que tinha há mais de 10 anos Arquivo Pessoal
Ygor também cuida do forno da PPizza Arquivo Pessoal
A esposa do empreendedor é quem cuida da cozinha da pizzaria Arquivo Pessoal
A esposa do empreendedor é quem cuida da cozinha da pizzaria Arquivo Pessoal
A pizzaria emprega cinco pessoas, contando com Ygor Arquivo Pessoal

Comentários