• Siga o Meia-Hora nas redes!

Acessibilidade na lei

Regulamentação que garante acesso a cadeirantes deve ser cumprida até 2020

O cadeirante Bernardo Borges encontra dificuldades ao sair do apartamento onde mora, em um condomínio na Barra da Tijuca
O cadeirante Bernardo Borges encontra dificuldades ao sair do apartamento onde mora, em um condomínio na Barra da Tijuca - Arquivo Pessoal

Não é preciso ir muito longe para o cadeirante Bernardo Borges, de 23 anos, encontrar dificuldades ao sair do apartamento onde mora, em um condomínio na Barra da Tijuca. Ao sair do prédio, o jovem esbarra em obstáculos, como a falta de passagem nas calçadas e de rampa de acesso nas quadras. Com a regulamentação da Lei Brasileira de Inclusão (LBI), os novos condomínios terão que incorporar recursos de acessibilidade nas áreas comuns. O prazo, que começou a valer a partir de julho, deve ser cumprido até janeiro de 2020.

Para os moradores de novos prédios, as mudanças podem ocorrer de acordo com a condição do comprador. "Para isso, basta um requerimento por escrito do adquirente antes do início das obras", explica o advogado Leandro Sender. O decreto proíbe que as construtoras e incorporadoras cobrem taxas adicionais pelo serviço de adaptação das moradias.

Bernardo, citado no começo da reportagem, vê com bons olhos o decreto que regulamenta a acessibilidade nas áreas comuns dos prédios. "A lei é de extrema importância para pessoas com dificuldade de locomoção e deficiência física. Porque garante o direito de ir e vir", argumenta.

Caso não ocorra o cumprimento no prazo legal, o infrator estará sujeito a sofrer penalidades legais. "A pessoa com deficiência poderá ingressar na Justiça, requerendo o cumprimento do estabelecido no decreto, sob pena de multa diária", complementa o advogado.

Comentários

Mais notícias