• Siga o Meia-Hora nas redes!

Ídolo não vê a Argentina como uma das favoritas

Maradona ressalta, porém, que os principais candidatos 'nunca vencem'

Maradona faz embaixadinha em evento: 'Não conheço Sampaoli'
Maradona faz embaixadinha em evento: 'Não conheço Sampaoli' - AFP

Maior jogador da história do futebol argentino, Diego Maradona afirmou que a seleção vice-campeã do mundo em 2014, no Brasil, não está entre as favoritas para vencer a Copa da Rússia. Mas, na visão do ex-craque, isso é positivo para a equipe de Lionel Messi.

"Não acho (que a Argentina seja favorita). Além do mais, se eu disser que é a Copa da Argentina e depois não acontece, vão dizer que eu não gostava da equipe, isso e aquilo. Não conheço o (Jorge) Sampaoli (técnico), não sei como joga. Conheço muitos dos jogadores e sei que vão dar o máximo. Acho que têm boas chances, mas não que sejam favoritos, porque os favoritos nunca vencem", disse o craque à agência France Presse.

O técnico Jorge Sampaoli discorda de Maradona e coloca a Argentina como favorita: "Pelo nosso comportamento típico, somos favoritos por causa do emblema, da bandeira, dos jogadores. Nós somos assim, creio que somos candidatos ao título, não podemos negar a nossa essência".

A Argentina enfrenta hoje a Itália, que não se classificou para a Copa. Na entrevista coletiva da véspera do amistoso, Sampaoli também falou sobre a importância de Messi. "É muito mais a equipe dele do que minha, por tudo o que ele faz em campo. Cada vez joga melhor", exaltou o técnico.

Cinco Copas no currículo

A Argentina é bicampeã mundial (1978 e 1986). Maradona estreou em Copas em 1982 e, quatro anos depois, foi o nome da conquista do segundo título dos hermanos. Em 1990, ele foi vice diante da Alemanha, o mesmo rival que venceu Messi e companhia na final de 2014. Em 1994, Don Diego disputou apenas dois jogos, até ser flagrado no antidoping por uso de efedrina, substância que ajuda a emagrecer e também é estimulante. Em 2010, o ídolo foi técnico da seleção do seu país, que acabou eliminada nas quartas pelos alemães.

Comentários

Mais notícias