• Siga o Meia-Hora nas redes!

'O time se desesperou'

Autor do gol de honra, Renato Augusto resume comportamento da Seleção

Renato Augusto teve tudo para viver um sonho em Kazan. Além de seu primeiro, e agora único, gol em Copa do Mundo, o meia viu uma bola que chutou passar perto da trave e ir para fora diante da Bélgica, ontem. O camisa 8, porém, reconheceu que a Seleção Brasileira se desesperou ao sair atrás no placar.

"Temos de estar preparados para todas as situações, inclusive começar o jogo perdendo. O time se desesperou um pouco depois do primeiro gol, e mais depois do segundo. Depois, ficou difícil buscar o resultado", disse o meia, acrescentando: "Foi como a morte de alguém querido".

O goleiro Alisson teve outra visão. "Acredito que, quando sofremos o primeiro gol, até reagimos de uma maneira positiva, conseguimos controlar as reações, trabalhar bem a bola. Estava difícil de achar os espaços. Quando tomamos o segundo, acho que demos mais espaços", disse o camisa 1, completando: "Temos que sair de cabeça erguida. É difícil num momento assim a gente superar uma derrota, uma eliminação como essa, sabendo da qualidade do nosso time. Encontramos uma grande equipe pela frente, fizeram um bom trabalho."

Já Philippe Coutinho disse que aguarda as críticas. "Seguramente, vamos receber pancada de todo lado. Quando se perde, muita coisa é falada, ainda mais no Brasil. Sabemos como são as coisas", disse o meia-atacante, que foi o artilheiro do Brasil na Copa, ao lado de Neymar, com dois gols.

Marcelo apontou as 'bobeiras do início' como causadoras da derrota. "No final, a gente conseguiu criar jogadas, chutar para gol. Isso com o cansaço pesando, tendo que marcar, pegar a bola lá atrás e tocar até o gol adversário", disse o lateral-esquerdo.

Comentários

Mais notícias