Mano Menezes elogia superioridade do Corinthians contra o Grêmio e pede 'calma' à torcida

Mano Menezes concedeu entrevista coletiva sorridente após a vitória do Corinthians por 1 a 0 sobre o Grêmio em Porto Alegre. O treinador elogiou muito o empenho tático da equipe, destacou a superioridade do time diante de um adversário que briga pelo título do Campeonato Brasileiro, exaltou Romero, autor do gol neste domingo, e ainda pediu "calma" à torcida alvinegra. O resultado desta 34ª rodada afastou ainda mais o clube da zona de rebaixamento, dando mais tranquilidade para a sequência do trabalho.

"Acho que é importante estabelecermos algumas verdades sobre o jogo: o Corinthians iniciou, no onze contra onze, melhor. Já tinha chegado duas vezes, antes da penalidade máxima que não foi marcada. E o fato de não ter marcado no campo, provavelmente, ocasionou a expulsão justa do Bruno (Mendez). Porque a expulsão é indiscutível, a entrada foi para vermelho. Só que se o pênalti é marcado no campo esse lance não iria existir."

O polêmico lance a que Mano Menezes se refere aconteceu aos seis minutos: João Bidu recebeu com liberdade dentro da grande área, botou na frente e sofreu uma carga por trás de João Pedro. No campo, o árbitro Rodrigo José Pereira de Lima não entendeu como pênalti e o árbitro de vídeo também não recomendou a revisão. No lance seguinte, no início do contra-ataque, Bruno Méndez chegou muito forte em Lucas Besozzi e acabou expulso.

Mesmo com um jogador a menos, o Corinthians conseguiu a vitória nos pés de Ángel Romero. O jogador, que chegou a ficar fora dos planos para a próxima temporada, tornou-se titular do time com o novo treinador e correspondeu em campo. "O futebol é muito duro porque ele não reconhece ninguém, nunca, pelos seus méritos. Você pode fazer muita coisa para o clube, mas você tem algumas atuações um pouco abaixo e todo mundo esquece o que você fez. O Romero sempre foi esse jogador no Corinthians, um jogador exemplar taticamente. Sempre se doou e sempre fez gols", disse Mano.

"Eu me lembro que em 2008, quando eu cheguei pela primeira vez no Corinthians, o torcedor era muito ansioso. Quando a gente tocava a bola para trás, pra lá e pra cá, o torcedor se irritava no estádio", declarou. "Quando você não está bem estruturado como time e o torcedor te apressa, é como se ele tivesse te empurrando para o abismo. Porque você quer acelerar, mas o jogo não tem qualidade... E é isso que a gente precisa recuperar, essa calma do corintiano", completou o treinador.

Mano também explicou sobre a formação com três zagueiros escolhida para a partida deste domingo. A ideia do treinador era ter mais consistência defensiva, mas também usar a velocidade pelas pontas para jogar nas costas da marcação gremista. A expulsão de Bruno Méndez atrapalhou os planos corintianos, mas o treinador gostou do que viu e a escalação pode aparecer novamente nas próximas rodadas.

"A gente fez uma linha de três. Essa era a ideia inicial, por pouco tempo, mas deu pra ver. E nós colocaríamos Fagner e Bidu como alas mesmo. Não foi possível ver tanto tempo, mas a equipe já tinha feito alguns jogos, lá atrás, com o Vanderlei (Luxemburgo) com essa formação de linha de três. Mas não tinha feito, eu acho, com o meio-campo que nós iniciamos, com um volante, Giuliano e Renato Augusto como meias, e dois homens de velocidade", completou.

Com 44 pontos, o Corinthians se afastou da zona de rebaixamento na 11ª posição, mas segue com o sinal de alerta ligado, precisando somar pontos para encerrar qualquer chance matemática. Com a parada para as Datas Fifa, o clube ganha mais de 10 dias para trabalhar e só volta a campo no dia 25 de novembro contra o Bahia, às 19h30, na Neo Química Arena, em São Paulo, pela 35ª rodada.