• Siga o Meia-Hora nas redes!

Desmanche ilegal

Civil faz operação em ferros-velhos da Baixada

A força-tarefa fiscalizou ferros-velhos às margens da Rodovia Presidente Dutra durante a operação
A força-tarefa fiscalizou ferros-velhos às margens da Rodovia Presidente Dutra durante a operação - Divulgação/PCERJ

A Polícia Civil realizou ontem uma operação em ferros-velhos da Baixada Fluminense para coibir a revenda de peças roubadas. Um dono de estabelecimento foi preso por receptação. O Detran-RJ, a Secretaria Estadual de Fazenda, homens da Light e várias delegacias participaram da força-tarefa.

De acordo com as investigações, a região concentra grande quantidade de pontos de desmanches de veículos roubados ou furtados que estariam abastecendo os ferros-velhos na Baixada. Os alvos da ação de ontem foram 32 estabelecimentos em quatro cidades próximas à Rodovia Presidente Dutra.

Somente na Rua Jardim Tropical, em Nova Iguaçu, existem mais de 20 ferros-velhos. Segundo a Polícia Civil, os agentes descobriram que a maior parte das peças eram vendidas sem a emissão de nota fiscal e por valores abaixo do mercado.

De acordo com informações da Polícia Civil, duas pessoas foram presas em flagrante por receptação qualificada de carcaça de veículo com numeração de chassi adulterada. Ainda foram emitidos dois autos de infrações e instaurados dois inquéritos policiais para apurar furto de energia.

PMs são suspeitos de integrar milícia

A Corregedoria da Polícia Militar cumpriu mandados de busca e apreensão na casa de oito PMs suspeitos de fazerem parte de uma milícia que age nos bairros de Austin e Cabuçu, em Nova Iguaçu. Cinco deles são lotados em Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs) e os demais são de batalhões da Baixada Fluminense. Foram apreendidos computadores e anotações nas residências. A Operação 'Liquefeito' teve a participação de todas as delegacias judiciárias da PM e a Agência Nacional de Petróleo (ANP).

Os policiais investigados são suspeitos de integrar milícia que controla a venda de botijões de gás. A investigação começou há cinco meses. O gás é vendido a R$ 75, acima do preço de mercado. Além disso, quem não compra o produto vendido pela quadrilha é ameaçado. Foram apreendidos R$ 8 mil em espécie, um carro roubado, computadores, aparelhos celulares, planilhas e outras anotações. Fiscais da ANP autuaram dois depósitos por armazenamento irregular de material inflamável. Todo o material apreendido será periciado e anexado ao inquérito policial.

Comentários

Mais notícias