Mais Lidas

Trump se proclama vencedor e diz que vai à Justiça contestar apuração

Mesmo com a votação em andamento - e podendo durar por mais alguns dias - em alguns estados cruciais, presidente afirmou que há uma 'fraude' e quer que apurações pelo correio se encerrem

Presidente Donald Trump
Presidente Donald Trump -
Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na madrugada desta quarta-feira que venceu as eleições, apesar do prosseguimento da apuração em vários estados cruciais.
"Francamente, nós vencemos esta eleição", afirmou aos simpatizantes na Casa Branca.
O presidente republicano denunciou uma "fraude" e indicou que vai recorrer à Suprema Corte.
"Queremos que todas as votações parem", disse o presidente, em uma aparente referência à apuração dos votos emitidos por correio, que podem ser aceitos legalmente pelos comitês eleitorais estaduais depois de terça-feira, caso tenham sido enviados no prazo.
A questão é crucial na eleição, pois muitos estados ainda estão contando os votos em uma disputa acirrada.
Devido à pandemia de coronavírus, quase 100 milhões de americanos, um recorde, votaram de maneira antecipada.
De acordo com algumas pesquisas, os eleitores democratas tendem a utilizar mais o voto por correio que os republicanos.
"Não queremos que encontrem nenhuma cédula às quatro da manhã", disse Trump.
Trump se declarou vencedor pouco depois das 2h20 (4h20 de Brasília), enquanto a apuração ainda prosseguia, um gesto inédito para um presidente dos Estados Unidos.
"No que me diz respeito, já vencemos", disse o presidente, que destacou as vitórias na Flórida, Texas e Ohio.

Em seu discurso ele também afirmou que "está claro" que venceu na Geórgia, apesar da falta de resultados definitivos no estado, e também reivindicou o triunfo na Carolina do Norte, onde a apuração também não terminou.

A apuração ainda prossegue no Alasca, Michigan, Nevada, Pensilvânia e Wisconsin.

Trump recebeu críticas imediatas de seu próprio lado.

"É uma decisão estratégica ruim. É uma decisão política ruim", opinou o político republicano Chris Christie.