Mais Lidas

Ex-assessor afirma que área técnica da Saúde do Estado deixou de ser ouvida

Luiz Octávio Martins Mendonça afirmou em depoimento nesta segunda-feira que ex-subsecretário de Saúde Gabriell Neves centralizava todas as decisões

Luiz Octávio em depoimento nesta segunda-feira (28)
Luiz Octávio em depoimento nesta segunda-feira (28) -
Além de Mariana Scardua, ex-subsecretária de Atenção Integral à Saúde do Rio, seu ex-assessor Luiz Octávio Martins Mendonça, que ficou no cargo de 2019 até abril de 2020, afirmou que a chegada de Gabriell Neves à subsecretaria executiva de Saúde, em fevereiro de 2020, provocou uma "desorganização completa" e que a área técnica deixou de ser ouvida nas decisões. Ele é uma das seis testemunhas ouvidas nesta segunda-feira (28), em mais uma etapa do processo que avalia o impeachment do governador afastado Wilson Witzel.
"A situação foi ficando muito crítica com atraso de pagamento de salário, de fornecedores, uma desorganização completa na estrutura gerencial da secretaria. Até a chegada do Gabriell, a área técnica participava em relação a estruturação de serviços, a contratação de insumos e equipamentos, mas após fevereiro de 2020 a área técnica não mais era demandada em relação a essas contratações", afirmou.
Em depoimento nesta segunda-feira, Luiz Octávio disse que até mesmo a decisão pela construção dos hospitais de campanha, no início da pandemia da covid-19, não teve participação da área técnica.
Ex-subsecretária confirma falta de transparência
Assim como seu ex-assessor, Luiz Octávio, Mariana Scardua disse que as complicações começaram a partir da entrada de Gabriell Neves.
"Até a chegada do Gabriell e do advento da pandemia, a área técnica (da secretaria) era consultada. Depois, deixou de ser consultada. Até janeiro de 2020, o que a gente perguntava para a subsecretaria executiva era respondido com clareza. Se algum prestador de serviço ligasse e dissesse que estava com pagamento atrasado, a gente entrava em contato com a subsecretaria e eles diziam a previsão. Com a chegada do Gabriell, os membros da secretaria foram proibidos de conversar com outras áreas. Só ele conversava com as outras áreas, e essas informações eram sempre imprecisas", afirmou Mariana.
Scardua disse ainda que contratações começaram a ser feitas à revelia da área técnica a partir da nomeação de Gabriell Neves para a subsecretaria executiva da pasta, em fevereiro deste ano.