• Siga o Meia-Hora nas redes!

Bloqueador de esperma

Pesquisadores prometem pílula anticoncepcional masculina em até cinco anos

O sonho de muitos homens, e mulheres, pode se tornar realidade em cinco anos. Cientistas australianos anunciaram que estão desenvolvendo uma pílula anticoncepcional masculina, sem hormônios, que pode bloquear o esperma durante a ejaculação, livrando as mulheres de usar suas pílulas anticoncepcionais (com hormônio) e evitando gravidez indesejada.

O diretor da pesquisa, Dr. Sab Ventura, da Universidade de Monash, garantiu que o tratamento é reversível; ou seja, uma vez interrompido o uso da pílula, o homem voltaria a ser fértil.

A pílula, segundo o cientista, citado pelo jornal inglês 'The Daily Mail', funciona da seguinte forma: ela bloqueia duas proteínas, no cérebro, que são responsáveis por liberar os espermas durante o orgasmo masculino. E, de quebra, o remédio poderia aumentar a libido (o desejo sexual) ao dilatar vasos sanguíneos exatamente como o Viagra faz.

Ventura adiantou que os testes serão iniciados em breve, se a próxima fase do desenvolvimento do remédio não apresentar falhas. Recentemente, o projeto recebeu uma verba adicional de R$ 480 mil, da 'Male Contraceptive Initiative' (Iniciativa Anticoncepcional Masculina), uma organização baseada nos Estados Unidos.

"Nós estamos perto de desenvolver um anticoncepcional masculino que é conveniente, seguro, eficiente, sem hormônios e de uso oral, e que pode ser revertido", declarou Ventura, em entrevista, ao comentar os avanços da pesquisa.

Reivindicação das mulheres

Ainda na entrevista, o Dr. Sab Ventura disse que a pílula anticoncepcional masculina "bloqueia o transporte do esperma, em vez de interferir em seu desenvolvimento ou na sua maturação". Com isso, a capacidade do homem de produzir esperma não é afetada, e ele pode reverter o processo se a medicação for interrompida.

Até agora, o desenvolvimento de um anticoncepcional masculino há décadas reivindicado pelas mulheres vinha sendo atrapalhado por efeitos colaterais graves, como a diminuição da libido do homem e danos irreversíveis à fertilidade. A nova pílula, ainda sem nome, está em fase de testes de laboratório.

Comentários

Mais notícias